quarta-feira, 22 de maio de 2019

O Arquivo do Dia #256 — Festival de Cannes, 1959



ORTF: Est-ce que vous aviez l'impression, vous, en tournant cette scène, qui est une confession d'un enfant de 14 ans, 13 ans, que vous faisiez quelque chose de mal?

Jean-Pierre Léaud: Non, non, j'avais pas du tout cette impression, j'avais l'impression, au contraire, que... que les gens devaient... devaient savoir ce que c'était qu'un enfant qui a 14 ans, et que... que c'était très bien montré dans le film, enfin que c'était... que tous les enfants sont comme ça à cet âge-là.

Em Maio de mil novecentos e cinquenta nove, a décima segunda edição do Festival de Cannes acolhia a retumbante e influente estreia de LES QUATRE CENTS COUPS, a primeira longa-metragem assinada por François Truffaut e que apresentou ao mundo Jean-Pierre Léaud: uma "força da natureza" desde tenra idade, com discurso titubeante mas de olhar fixo na objectivo, tal como esta entrevista, conduzida pela Radiodiffusion Télévision Française durante o Festival e que o Arquivo hoje relembra, demonstra inteiramente.



[Fontes: Office de radiodiffusion-télévision française (ORTF) / Criterion Collection].
[Imagem: Janus Films].

quinta-feira, 16 de maio de 2019

O Arquivo do Dia #255 — O Centenário de Liberace



Se fosse vivo, Liberace comemoraria hoje cem anos. Natural do Wisconsin, no seio de uma família de emigrantes italianos e polacos, Liberace obteve a alcunha de Mr. Showmanship não só pelo virtuoso domínio do piano que demonstrou ao longo de mais de quatro décadas, mas também pelo extravagante estilo de vida, íntimo e público, que adoptou. Revelando prodigioso talento desde os quatro anos de idade, Liberace celebrizou-se na composição de espectáculos que, da selecção musical à cenografia dos palcos (o candelabro em cima do piano, imagem de marca das suas actuações ao vivo, foi adoptado logo em mil novecentos e quarenta e cinco), invocavam simultaneamente sonoridades de Beethoven a Gershwin, o ambiente do cabaret e um guarda-roupa inspirado no luxo decorativo de um casino de Las Vegas.

THE LIBERACE SHOW foi um dos principais veículos para a sua popularidade: emitido pela primeira vez em Julho de mil novecentos e cinquenta e dois, o programa chegou a atrair trinta milhões de telespectadores por episódio. Para a posteridade, ficou o registo (que o Arquivo de hoje destaca) de Liberace enquanto perfeito comunicador, recorrendo a planos de câmara expressionistas e com o olhar sempre fixo na audiência, de uma era em que se produzia Televisão com entusiasmo, erudição e humor.



[Fontes: Guild Films Company / American Broadcasting Company (ABC)].
[Imagem: Getty Images / USA Today].

Novidades Analógicas #11: HALFNOISE, Who Could You Be



Videoclip para Who Could You Be, novo single dos norte-americanos HALFNOISE. Realizado em película de 16mm (Kodak).



Realização: Zac Farro
Direcção de Fotografia: Nyk Allen

[Fontes e Imagem: Congrats Records / Live Nation Video Network].



terça-feira, 14 de maio de 2019

O Arquivo do Dia #254 — Doris Day (1922 - 2019)



No momento em que se noticia o falecimento de Doris Day, actriz e intérprete musical, notabilizada no grande ecrã por THE MAN WHO KNEW TOO MUCH (1956), PILLOW TALK (1959) ou THE BALLAD OF JOSIE (1967) e considerada por diversos autores como a "última representante da Era Dourada de Hollywood", o Arquivo de hoje recorda a sua primeira participação televisiva: como convidada-mistério no popular concurso de variedades What’s My Line — "everybody’s favourite guessing game!" — de Junho de mil novecentos e cinquenta e quatro.

Fiel ao registo que perpetuou no Cinema, a presença de Doris Day naquele concurso, embora breve (a actriz apenas surge em palco a partir dos quinze minutos no vídeo abaixo publicado), contém todos os adjectivos que associamos à sua filmografia: as expressões dominadas pelo sorriso doce e um olhar digno de pueril curiosidade, a capacidade de sobressair (de notar, sobretudo, o modo como responde às questões do painel de What’s My Line) entre os mais padronizados formatos da indústria e a singela atitude de uma das figuras mais populares do Cinema e “cançonetismo” norte-americanos.



[Fonte: CBS].
[Imagem: Arwin Productions / Universal Pictures / Kobal / Rex / Shutterstock / Variety].

Memórias em VHS #7: VHS Killed the Movie Star?



Em Maio de mil novecentos e oitenta e seis, a CBS dedicou este breve segmento informativo ao impacto do mercado do VHS na indústria cinematográfica, e sobretudo ao facto de que, no ano anterior e pela primeira vez, a venda de filmes em cassetes de vídeo foi superior aos lucros nas bilheteiras das salas de cinema.

Jack Valenti, então Presidente da Motion Picture Association of America e um dos entrevistados pelo jornalista John Kalina, admitia um reservado prognóstico — "I don't think anybody could tell you (...) whether or not the intrusion of the VCR will have a cataclysmic or a beneficent effect on the movie business" — que, todavia, não indiciava sequer a completa obsolescência do formato logo na primeira década do Século vinte e um.



[Fonte: CBC Archives].
[Imagem: Quartz / The Web Coffee].

quinta-feira, 9 de maio de 2019

Estreia da Semana: THE BEACH BUM



THE BEACH BUM, de Harmony Korine, rodado em película de 35mm (Kodak Vision3 250D 5207, Vision3 500T 5219).

«I think when Harmony said we have to push and go even further, just the decision to shoot on film was already a huge step", Benoît Debie, director de fotografia do filme.

[Fonte: IndieWire].
[Imagem: TMZ.com].

segunda-feira, 6 de maio de 2019

Memórias em VHS #6: Latrell James, Tracphone



Videoclip para o single Tracphone, do rapper Latrell James, produzido com um (nostálgico) visual inspirado nas peculiaridades da imagem registada em VHS.



[Fontes e Imagem: Stem Disintermedia Inc / Hot New Hip Hop].

domingo, 5 de maio de 2019

Novidades Analógicas #10: IndieLisboa 2019



Com a décima sexta edição do IndieLisboa a decorrer, o Síndroma do Vinagre regressa a uma das suas divagações predilectas: a análise da programação do Festival tendo como ponto de partida os títulos que foram rodados, inteira ou parcialmente, em formatos analógicos, assim como aqueles que elegeram as imagens de arquivo e o estilo found footage para matéria-prima de trabalho.

Para a edição de dois mil e dezanove, o IndieLisboa propõe vinte filmes, constantes dos "lotes" a concurso e nas várias secções não-competitivas, sendo de destacar — e conforme a informação veiculada no catálogo do Festival — que, no que toca a projecção, apenas um filme tem suporte em película: A CASA, A VERDADEIRA E A SEGUINTE, AINDA ESTÁ POR FAZER, curta-metragem realizada por Sílvia das Fadas, que será exibido em "glorioso 16mm".



Competição Internacional

Competição Nacional

Silvestre



Herói Independente — "Brasil em Transe"
  • MAGALHÃES (Lucas Lazarini) — Documentário composto por imagens de arquivo

Director's Cut

[Fonte: Catálogo IndieLisboa 2019].
[Imagens: IndieLisboa — Associação Cultural / Sílvia das Fadas / Vitrine Filmes].

quinta-feira, 2 de maio de 2019

O Arquivo do Dia #253 — MOVIE SHOWMAN



Realizado em 1989 por Harvey Spak, MOVIE SHOWMAN recorda os projeccionistas do National Film Board (NFB) que, nos anos 40 e 50, viajaram pelo Canadá para levar o Cinema às localidades mais remotas do país.

Uma peculiar curta-metragem, a ilustrar o Arquivo de hoje, que misturando dramatizações, imagens de arquivo e entrevistas com os veteranos do NFB, invoca não só um dos períodos mais importantes na história da Sétima Arte no Canadá, como também uma experiência — a dos "cinemas itinerantes" — de absoluta nostalgia.



[Fonte e Imagem: National Film Board].

quarta-feira, 1 de maio de 2019

O Arquivo do Dia #252 — O Primeiro de Maio de 1974



"A voz dos trabalhadores, a voz de todo o nosso povo, saudemos o Movimento das Forças Armadas e asseguremos: vós estais, e confiamos em que estareis sempre com o povo. O povo também está e estará convosco!", Álvaro Cunhal.

"Quero também saudar, em nome do Partido Socialista, todos os outros formações e partidos democráticos que estão aqui presentes. Sem nenhuma excepção nem nenhuma descriminação. Saúdo-os todos!", Mário Soares.

Dos arquivos da RTP, recordamos hoje os discursos de Álvaro Cunhal e Mário Soares na tribuna, durante a manifestação do 1º de maio de 1974, no estádio da Fundação Nacional para Alegria no Trabalho (FNAT) em Lisboa.





[Fonte: Arquivos RTP].
[Imagem: Expresso Online].